​​​​

Conselheiros do TCE/SE prestigiam lançamento de livro sobre Euclides Paes Mendonça

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), conselheiro Flávio Conceição de Oliveira Neto, prestigiou na tarde dessa quarta-feira (18), na Biblioteca Pública Epiphanio Dória, em Aracaju, o lançamento do livro “Euclides Paes Mendonça: um político do passado (ensaios, crônicas e anedotas)”, de autoria do desembargador federal do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), Vladimir Souza Carvalho.

Além do presidente Flávio Conceição, também representaram o Tribunal de Contas de Sergipe na solenidade o conselheiro Carlos Pinna de Assis e a coordenadora adjunta do Setor Médico, Maria Luiza Lima Dias. Nesta quinta-feira (19), a obra também será lançada na Câmara de Dirigentes Lojistas de Itabaiana, cidade natal do desembargador e autor do livro.

PHOTO-2023-01-18-23-00-43.jpg
"A presença dos representantes do Tribunal de Contas nesta solenidade era efetivamente necessária pela importância da obra, que tem todo um contexto histórico sobre a trajetória de Euclides Paes Mendonça, líder político da região Agreste e com a autoria do amigo e desembargador Vladimir Souza Carvalho, um itabaianense apaixonado por seu povo e suas tradições culturais. Quando o TCE/SE o prestigia, também contempla a sociedade de Itabaiana”, comentou Flávio Conceição.

Já o decano do TCE/SE, conselheiro Carlos Pinna, entende que o lançamento é mais uma demonstração do afeto que o desembargador tem por Sergipe e, em especial, por Itabaiana. “Vladimir Souza Carvalho é um magistrado sergipano que há tempos nos orgulha como membro do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Autor de várias obras, este lança mais uma trazendo agora uma narrativa da trajetória política de Euclides Paes Mendonça. Uma obra bastante oportuna, diga-se de passagem”.

PHOTO-2023-01-18-23-00-44 2.jpg
O livro​

Dividido em nove capítulos, o livro foca a trajetória política do líder udenista de Itabaiana, Euclides Paes Mendonça, no período de 1947, quando ingressa na política, a 1963, ano em que foi assassinado. Trata-se de um longo retrato daqueles tempos, durante os quais Vladimir Carvalho acompanha o cenário eleitoral da época e expõe, ainda, o ambiente de sua terra, com mergulhos na história sergipana. Para escrever a obra, o autor também se valeu de seus conhecimentos pessoais, já que vivenciou grande parte dos fatos narrados.    

 Por Habacuque Villacorte (*)
(*) Com informações do TRF-5
Fotos: Sérgio Silva​

​​